Para apresentar os principais projetos da farmacêutica multinacional GSK e parcerias entre entidades de fomento, laboratórios e a área pública, a especialista Luciana Tardes traçou um histórico da atuação da companhia ao longo de 110 anos.

Em seguida, ela explicou os estudos observacionais em andamento e as mais de 40 publicações de artigos feitas recentemente, o que demostra o apoio a pesquisa e gestão do conhecimento. Além disso, ela também destacou os principais projetos do pipeline e os desafios na área de biológicos para atender pacientes com doenças raras.

Ao final do encontro, a especialista reforçou o papel que a inovação tem tido na visão estratégica da companhia ao longo de sua atuação no Brasil. Outra palestra que ocorreu no  Innovation Hub foi conduzida por Felipe de Luca, de Bio-Manguinhos. Ele abordou a importância da gestão do portfolio de forma integrada e como os recentes marcos de inovação impactaram esse trabalho. 

Em seguida, Rodrigo Muller, do Laboratório de Experimentação Animal de Bio-Manguinhos, explicou o funcionamento do Laboratório de Experimentacao Animal de Bio-Manguinhos (LAEAN), destacando toda a cadeia de atividades e contribuições, por exemplo, às fases pré-clinica e clínica. "Trabalhamos de forma a garantir a máxima qualidade e bem estar dos animais que serão parte das pesquisas", afirmou. 

Ao final da sessão, o pesquisador Renato Marchevsky, do Laboratório de Neurovirulência (Laneu/Bio-Manguinhos) abordou testes com primatas não humanos, suas especificidades, principais protocolos e todo processo detalhado de trabalho. Ele citou os casos dos trabalhos sobre a febre amarela, zika e chikungunya.

 

Jornalista: Isabela Pimentel

Imagem: Bernardo Portella